Bíblia Comentada no WhatsApp!



Se você quer receber versículos bíblicos
no seu WhatsApp, basta enviar uma
mensagem pelo Whats para:



+55 11 97554-4484.



É simples, prático e muito fácil estar
em contato com a Palavra de Deus!



Um Serviço adWhats




 João - Cap.: 1

12345678910
11121314151617181920
21
1 - NO princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
    1:1-5 O prólogo (1, 2) começa com uma descrição do trabalho abençoado por e devotado a seu Deus.
    1:1 Uz. Uz era uma região alargada a leste de Judá, talvez à beira do deserto, mas favorável para o aumento das culturas (v. 14) e Pecuária (v. 3). Jó não era um nômade, mas um ancião em uma cidade grande (29:7).
    íntegro e reto. language Isso é normal e não significa que Jó era sem pecado.
    1:1-18 Este "Prologue" para o Evangelho é um prefácio para o início narrativa no v. 19.
    1:1 a Palavra. O termo "Palavra" (logos grego) designa o Deus Filho no que diz respeito à Sua divindade; "Jesus" e "Cristo" referem-se a sua encarnação e da poupança de trabalho. Durante os três primeiros séculos, as doutrinas da Pessoa de Cristo focada intensamente em sua posição como o Logos. Na filosofia grega, era o Logos "razão" ou "lógica" como uma força abstrata que trouxe ordem e harmonia com o universo. Mas, nos escritos de João tais qualidades do Logos estão reunidos na pessoa de Cristo. Em filosofia neoplatônica ea heresia gnóstica (segundo e terceiro séculos A. D.), O Logos era visto como uma das muitas potências intermediários entre Deus eo mundo. Tais noções estão muito longe da simplicidade do Evangelho de João. Neste versículo a Palavra é expressamente afirmado ser Deus. A Palavra já existia "no princípio" (uma clara referência às palavras de abertura da Bíblia), que é uma forma de denotar a eternidade que é único para Deus. João afirma claramente: "o Verbo era Deus." Alguns autores observaram que a palavra traduzida como "Deus" aqui não tem nenhum artigo definido, e argumentou com base nisso que significa "um deus" em vez de "Deus". Este é um equívoco, o artigo é omitido por causa da ordem das palavras na frase grego (o predicado "Deus" foi colocado em primeiro lugar para dar ênfase). O Novo Testamento nunca concorda com a idéia de "um deus", uma expressão que implica o politeísmo e está em agudo conflito com o monoteísmo consistente da Bíblia. Em
    1. No início - (Referindo-se ao general i, 1 e Prov. Viii, 23). Quando tudo começou a ser feita pelo Word: no começo do céu e da terra, e todo esse quadro de seres criados, o Word existido, sem qualquer começo. Foi quando tudo começou a ser, tudo teve um começo. O Word - Assim denominado Salmo xxxiii, 6, e freqüentemente pelos setenta, e na paráfrase Caldeu. Assim que St. John não emprestar a expressão de Philo, ou qualquer outro escritor pagão. Ele ainda não foi chamado Jesus ou Cristo. Ele é a Palavra que o Pai gerou ou falou desde a eternidade, por quem o Pai fala, faz todas as coisas, fala que o Pai para nós. Temos, no versículo 18, uma descrição real da palavra, ea razão pela qual ele é chamado. Ele é o Filho unigênito do Pai, que está no seio do Pai, e se declarou ele. E o Verbo estava com Deus - portanto distinto de Deus, o Pai. A palavra proferida com, denota uma tendência perpétua como se fosse do Filho ao Pai, na unidade da essência. Ele estava com Deus sozinho, porque nada ao lado de Deus, então qualquer ser. E o Verbo era Deus - Supremo, eterno, independente. Não havia nenhuma criatura, em relação aos quais ele poderia ser denominado de Deus num sentido relativo. Portanto, ele é denominado assim em sentido absoluto. A divindade do Messias ser claramente revelado no Antigo Testamento, (Jer. XXIII, 7; Oséias i, 6, Salmo XXIII, 1), os outros evangelistas visam isso, para provar que Jesus, um verdadeiro homem, era o Messias . Mas quando, finalmente, alguns daqui começou a duvidar de sua divindade, então St. John expressamente afirmado, e escreveu no livro como se fosse um complemento para os Evangelhos, como no Apocalipse para os profetas.
2 - Ele estava no princípio com Deus.
    2. O mesmo estava no princípio com Deus - Este versículo repete e contratos em um dos três pontos mencionados anteriormente. Como se ele tivesse dito, esta palavra, que era Deus, foi no começo, e estava com Deus.
3 - Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.
    1:3 ovelhas ... camelos ... bois ... burros. Patriarcal foi medida pela quantidade de gado (cf. Gn 30:43).
    1:3 Todas as coisas foram feitas por intermédio dele. Este versículo também enfatiza a divindade do Verbo, desde a criação pertence a Deus. Ver também v. 10, Col. 1:16-17; "Deus Criador" no Ps. 148:5. Basicamente, a doutrina é que a unidade do Deus único é complexa. Os três centros de pessoal "subsistências" (como são chamados) são igual e eterno de si mesmo??] Consciência, cada ser "eu" em relação às duas que estão "Você", e cada um com a essência divina cheia de Deus, o existência específica que pertence somente a Deus. Deus não é uma pessoa que desempenha três papéis separados, esse é o erro chamado de "modalismo". Também não existem três deuses que parecem ser apenas um, porque eles sempre agem em conjunto, isto é "tritheism". O teólogo BB Warfield colocá-lo simplesmente: "quando temos dito estas três coisas, então que não há um só Deus, que o Pai e do Filho e do Espírito é cada Deus, que o Pai e do Filho e do Espírito é cada uma pessoa distinta temos enunciou a doutrina da Trindade, na sua integralidade ". Isto resume o que foi revelado através das palavras e obras de Jesus, e é a realidade subjacente a salvação de t ele do Novo Testamento. Em termos práticos, a doutrina da Trindade exige de nós a dar honra igual a cada uma das três Pessoas, na unidade do único Deus. Além disso, conhecer a doutrina estabelece fé pessoal não menos do que enriquece um saudável senso de unidade com outros cristãos. Deus, o Deus Criador "No princípio, Deus criou os céus ea terra" (Gn 1:1). Não havia material preexistente, Deus criou do nada, por decreto. Ele decidiu que as coisas devem existir e chamou-os para estar com a sua palavra ( "Let there be ..."). Deus deu a criação uma existência dependente de sua própria existência, mas distinta. Na obra da criação, Pai, Filho e Espírito Santo atuaram juntos (Gn 1:2; Ps. 33:6, 9; 148:5, João 1:1-3, Col. 1:15, 16; Hb . 1:2, 11:3). O ato de criação é mistério para nós, não há mais nele do que podemos compreender. Nós não podemos criar por um mero ato de vontade, e não sabemos como Deus pôde. Dizer que ele criou "do nada" é confessar o mistério, sem explicá-lo. Em particular, não se pode conceber como uma existência dependente pode ser distinta ou como anjos e as pessoas em sua existência dependente podem tomar decisões livres e moralmente responsável perante seu Criador. No entanto, em toda a Escritura ensina-nos esta verdade. Enquanto o mundo?] Fim não é auto?] Criou, assim também não é auto?] Sustentar, como Deus é. O universo é constantemente acolhido por Deus, sem que essa atividade do divino Filho (Col. 1:17, Heb. 1:3), todas as criaturas de todo tipo, inclusive nós mesmos, deixaria de ser. Como Paulo disse aos atenienses: "Ele dá a todos vida, respiração e tudo ... nele vivemos, nos movemos e existimos" (Atos 17:25, 28). Deus não é "no" espaço ou no tempo, espaço e tempo são dimensões da ordem criada, e Deus não está vinculado por eles como nós somos. Ele é capaz de agir na ordem criada em formas que não são acessíveis à nossa compreensão.
    3. Todas as coisas foram feitas ao lado de Deus, e todas as coisas que foram feitas, foram feitas pelo Word. No primeiro versículo eo segundo é descrito o estado das coisas antes da criação: o versículo 3, na criação verso: 4, No tempo do homem inocência: versículo 5, No tempo do homem contra a corrupção.
4 - Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.
    4. Nele estava a vida - Ele foi a base da vida para todos os seres vivos, bem como de ser para tudo o que é. Ea vida era a luz dos homens - O que é a vida essencial e doador de vida para todos que vive, também foi a luz dos homens; a fonte da sabedoria, santidade e felicidade, para o homem em seu estado original.
5 - E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.
    1:5 santificá-los. Jó estava justamente em causa, para o bem-estar espiritual de seus filhos.
    oferecer holocaustos. Por esse meio de graça o patriarca Jó, como Abraão (Gn 15:9, 10), encheu o papel de padre para o familiar, consagrando seus filhos ao Senhor.
    amaldiçoado Deus nos seus corações. O hebraico lê lit. "Deus abençoou", mas que é um eufemismo. Amaldiçoar a Deus era um pecado sobre o qual ele próprio trabalho seria testado (v. 11).
    1:5 não compreendê-lo. Veja a nota de texto. É característico do estilo deste Evangelho para enfatizar os conceitos contrastantes (ver Introdução). O enredo deste Evangelho pode ser visto em termos de uma luta entre as forças da fé e da incredulidade.
    5. E a luz resplandece nas trevas - brilha mesmo no homem caído, mas a escuridão - o homem, Dark pecadora, não atenta para isso.
6 - Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João.
    1:6-2:13 O escritor revela a evolução no céu e as suas consequências na terra que levou ao sofrimento de Job.
    1:6-12 Esta é a primeira de duas cenas no céu, representando o conselho divino e incidindo sobre o encontro entre Deus (Yahweh) e Satanás. Satanás é mais do procurador. Ele se opõe à vontade de Deus, em consonância com o papel da serpente em Gênesis 3. No v. 9 questiona motivo religioso de Job. O uso de "Senhor", o nome da aliança de Deus, toda a CHS. 1 e 2 (também em 38:1, 40:1 e cap. 42) indica que Deus estava em uma relação de aliança com o trabalho no amor e na misericórdia do primeiro ao último.
    1:6 Satanás. Veja a nota teológica "Satanás". Satanás. Satanás Satanás é o líder dos anjos caídos, e como eles vem em plena vista apenas no Testame Novo nt. Seu nome significa "adversário" (adversário de Deus e seu povo), e do Antigo Testamento apresenta-o como tal (1 Chr.. 21:1; Job 1, 2, Zech. 3:1, 2. O Novo Testamento dá-lhe revelando títulos: Diabo (diabolos), que significa "acusador" (isto é, do povo de Deus; Rev. 12:9, 10); Apoliom, que significa "destruidor" (Apocalipse 9:11); tentador (Mateus 4:3; 1 Tessalonicenses. 3:5); e maligno (1 João 5:18, 19). "príncipe deste mundo" (João 12:31, 14:30, 16:11) e "deus deste século" (2 Coríntios. 4:4) ponto a Satanás como presidindo anti humanidade?] estilos de Deus (cf. Ef. 2:2; 1 João 5:19, Apocalipse 12:9). Jesus disse que Satanás sempre foi um assassino, e é o pai da mentira. Como tal, ele é mentiroso, tanto o original eo patrocinador de todas as mentiras e enganos posteriores (João 8:44). Finalmente, ele é identificado como a serpente que enganou Eva no Éden (Apocalipse 12: 9; 20:2). A foto é de uma maldade, fúria e crueldade, dirigido contra Deus, contra a verdade de Deus, e contra aqueles a quem Deus ama.
    6. Havia um homem - O evangelista prossegue agora a ele que testemunhou da luz, que ele tinha falado nos cinco versículos anteriores.
7 - Este veio para testemunho, para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele.
    1:7, 9 todos ... cada homem. A relevância universal do evangelho é afirmado (v. 7), bem como a atividade esclarecedora da graça comum de Deus (v. 9). Atividade salvadora de Deus não está restrito a um determinado povo.
    7. O mesmo veio para (isto é, de modo a dar) um testemunho - O evangelista, com o entrelaça mais forte e terna afeição, com seu próprio testemunho de João, em digressões nobre, onde ele explica o gabinete de Batista, em parte instalações e em parte subjoins uma explicação mais para suas frases curtas. O São Mateus, Marcos e Lucas termo do Evangelho, em relação à promessa de ir antes, St. John geralmente os termos do depoimento, intimando a certeza do relator, para dar testemunho da luz - de Cristo.
8 - Não era ele a luz, mas para que testificasse da luz.
    1 : 8 Job é honrado por Deus, que aprova a ele como um servo fiel e verdadeiro, ou seja, uma manter o juramento solene da relação de aliança. Ele é Deus, não Satanás, que destaca do trabalho para o teste.
9 - Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo.
    1:9 a Luz verdadeira. Neste Evangelho, a "verdade" e "verdade" é freqüentemente empregado para significar o que é eterno ou celeste, ao contrário meramente temporal ou terrestre. Ver notas 4:24; 6:32; "Humanidade Guilty conhecimento de Deus" em Rom. 1:19.
    9. Que ilumina todo homem - Por que é vulgarmente chamado de consciência natural, apontando, pelo menos, as linhas gerais do bem e do mal. E essa luz, se o homem não impediu, iria brilhar mais e mais para o dia perfeito.
10 - Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu.
    10. Ele estava no mundo - Mesmo com a criação.
11 - Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.
    1:11 O trabalho, que era tão sensível à possibilidade de seus filhos amaldiçoar a Deus, agora pecado maneira que ele mesmo?
    1:11 não recebê-Lo. ministério público de Jesus foi uma rejeição por parte do "Seu próprio povo" (ver notas de texto).
    11. Ele veio - Na plenitude dos tempos, a sua própria - país, cidade, templo e seu próprio - Pessoas, não o receberam.
12 - Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome;
    1:12 O adversário é autorizada a realizar testes de emprego, mas neste momento, apenas no tocante aos seus bens e família. Seu poder é restrito ao que é permitido pelo Senhor.
    1:12 Veja a nota de texto. Fallen seres humanos não são filhos de Deus por natureza, isto é privilégio apenas de quem tem fé, uma fé neles gerados pela ação soberana de Deus (v. 13). Ver "Adoção" na Gal. 4:5.
    12. Mas a todos quantos o receberam - judeus ou gentios que crêem no seu nome - Ou seja, em cima dele. No momento em que eles acreditam, são filhos e porque sois filhos, Deus enviou o Espírito do seu Filho em seus corações, que clama: Aba, Pai..
13 - Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.
    1:13-22 Apesar divinamente Satanás-autorizada (e divinamente limitada) agressões a seus bens, servos e filhos, Jó continua firme em sua crença que Deus é bom.
    1:13 que nasceram. As versões latino compreendeu isso para descrever o nascimento virginal de Cristo. No entanto, o verbo no plural "nasceram" mostra que este versículo é sobre o novo nascimento do cristão (cf. 3:3, 5, 7, 8). Este novo nascimento ocorre pela ação do Espírito que dá vida aos que estavam "mortos em delitos e pecados" (Ef 2:1). O novo nascimento, muitas vezes chamado de "regeneração", explica-se mais plenamente no 3:1-21. Paulo usa a metáfora de uma ressurreição da morte no pecado e não a imagem do renascimento (Rm 6:4-6, Ef. 2:5, 6; Col. 2:13, 3:1, cf. João 5:24 ). Obra de salvação de Deus é totalmente soberano e gracioso, mas a realidade da resposta humana ao acreditar e receber nunca está cancelado. Consulte "eleição e reprovação" em Rom. 9:18.
    13. Quem nasceu - Quem se os filhos de Deus, não de sangue - não por descendência de Abraão, nem pela vontade da carne - Por geração natural, nem pela vontade do homem - Adotando-los, mas de Deus - pelo Espírito Santo .
14 - E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.
    1:14 a Palavra se fez carne. Esta é a afirmação de clímax do Prólogo. Para alguns dos contemporâneos de João, o espírito eo divino eram totalmente contrário da matéria e da carne. Para outros, os deuses foram pensados para visitar a terra disfarçados de seres humanos (Atos 14:11). Mas aqui é um abismo em ponte: a Palavra eterna de Deus não apenas parecem ser um ser humano, mas na verdade se fez carne. Ele tomou para Si uma natureza humana completa e verdadeira. Veja a nota teológica "Jesus Cristo, Deus e Homem". Sabendo que Deus nos criou e para o mundo que nos rodeia é fundamental para a verdadeira religião. Deus é digno de ser louvado como o Criador, conhecido desde o fim maravilhoso e beleza de suas obras (ver, por exemplo, Ps. 104). Deus é o Senhor soberano, cujo plano eterno abrange todos os eventos e destinos, sem exceção. Ele tem poder para redimir, recriar e renovar. Percebendo que dependemos de Deus para o nosso momento?] Por?] Existência momento nos convida a viver uma vida de devoção, gratidão e lealdade para com ele. Jesus Cristo, Deus e Jesus Cristo, Deus e Homem Trindade e Encarnação belong together. A doutrina da Trindade afirma que Cristo é verdadeiramente divina, a doutrina da Encarnação declara que o mesmo Cristo também é totalmente humano. Juntas, elas proclamam a plena realidade do Salvador revelado no Novo Testamento, o Filho que veio do seio do Pai na vontade do Pai, para se tornar o substituto do pecador na cruz (Mt. 20:28, 26:36-46, João 1 : 29; 3:13-17; Rom. 5:8, 8:32, 2 Coríntios. 5:19-21; 8:9; Phil. 2:5-8).
    14. Flesh às vezes significa natureza corrupta, às vezes o corpo, às vezes, como aqui, todo o homem. Nós vimos a sua glória - Nós seus apóstolos, especialmente Pedro, Tiago e João, Lucas ix, 32. Graça e de verdade - Somos todos mentirosos por natureza e filhos da ira, a quem tanto a graça ea verdade são desconhecidas. Mas nós somos feitos participantes dos mesmos, quando somos aceitos pelo Amado. O versículo inteiro pode ser parafraseada assim: E a fim de elevar-nos a essa dignidade e felicidade, o Verbo eterno, por uma condescendência mais surpreendente, se fez carne, se uniu a nossa natureza miserável, com todas suas fraquezas inocentes. E ele não nos fez uma visita passageira, mas habitou entre nós na Terra, mostrando a Sua glória de uma forma mais eminentes, que, mesmo de velho no tabernáculo de Moisés. E nós, que estão actualmente a registar estas coisas vimos a sua glória, com uma atenção tão rigorosa, que podemos testemunhar, foi em todos os aspectos, tal como se tornou uma glória do unigênito do Pai. Para ele brilhou não só em sua transfiguração, e em seus milagres constantes, mas em todos os seus temperamentos, ministrações, e conduzir através de toda a série da sua vida. Em todas ele apareceu cheio de graça e de verdade: ele próprio era mais benevolente e justo, fez as descobertas ampla de perdão aos pecadores, que a dispensação mosaica não podia fazer, e realmente exibiu as bênçãos mais substancial, ao passo que era apenas uma sombra de coisas boas que virão.
15 - João testificou dele, e clamou, dizendo: Este era aquele de quem eu dizia: O que vem após mim é antes de mim, porque foi primeiro do que eu.
    15. John gritou - Com alegria e confiança; Este é aquele de quem eu disse - John tinha dito isso antes de nosso batismo Lords, embora depois não o conhecia pessoalmente: ele sabia-o primeiro em seu batismo, e depois gritou: Este é aquele de quem me disse. & C. Ele é antes de mim - em seu escritório, porque existia antes de mim - em sua natureza.
16 - E todos nós recebemos também da sua plenitude, e graça por graça.
    16. E - Aqui, o apóstolo confirma as palavras batistas: como se ele tivesse dito, ele é certamente preferido antes de ti por isso temos experimentado: Nós todos - que acreditam que: tenham recebido - Tudo o que nós desfrutamos de sua plenitude, e em particular graça sobre graça - Uma bênção outra graça, e imensurável amor.
17 - Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.
    17. A lei - a ira de Trabalho e sombras contendo: foi dado - Nenhum filósofo, poeta ou orador, já escolheu suas palavras com tanta precisão como St. John. A lei, diz ele, foi dada por Moisés, a graça foi por Jesus Cristo. Observe a razão para a colocação de cada palavra, assim: A lei de Moisés não era o seu próprio. A graça de Cristo. Sua graça foi oposta à ira, a sua verdade para as cerimônias de sombra da lei. Jesus - St. John, uma vez tendo mencionado a encarnação (ver. 14), não usa mais esse nome, o Word, em todos os livros dele.
18 - Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou.
    18. Ninguém jamais viu a Deus - Com os olhos do corpo: os crentes ainda vê-lo com os olhos da fé. Quem está no seio do Pai - A expressão denota a maior unidade e, o conhecimento mais íntimo.
19 - E este é o testemunho de João, quando os judeus mandaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para que lhe perguntassem: Quem és tu?
    19. Os judeus - Provavelmente, o grande conselho enviada.
20 - E confessou, e não negou; confessou: Eu não sou o Cristo.
    1:20-22 Trabalho profere a sabedoria de um poema que retrata a sabedoria de apresentação tranquilo para o segredo de Deus será tudo. pertence ao Criador que lhe deu pessoas. Deus deve louvá-Lo por tudo o que faz com o que é dele. A palavra "abençoado" (ou "louvado", v. 21) é o mesmo utilizado no v. 11 para o "maldito". Ao usá-lo aqui, o autor está enfatizando Job como frustrou as previsões de Satanás no v. 11. Porém, v. 22 implica o teste ainda não terminou.
    20. Eu não sou o Cristo - Para muitos ele era suposto.
21 - E perguntaram-lhe: Então quê? És tu Elias? E disse: Não sou. És tu profeta? E respondeu: Não.
    21. És tu Elias? - Ele não era o Elias (o tisbita) de quem eles falaram. És tu o profeta - de quem fala a Moisés, Deut. xviii, 15.
22 - Disseram-lhe pois: Quem és? para que demos resposta àqueles que nos enviaram; que dizes de ti mesmo?
23 - Disse: Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías.
    23. Ele disse: - Eu sou o precursor de Cristo, de quem Isaías fala. Eu sou a voz - como se ele tivesse dito, longe de Cristo, ou mesmo Elias, eu não sou nada, mas uma voz: um som que, tão logo tenha expressado o pensamento de que é o sinal, morre no ar, e é conhecido, não mais. Isaías XL, 3.
24 - E os que tinham sido enviados eram dos fariseus.
    24. Eles, que tinham sido enviados eram dos fariseus - Quem eram particularmente tenaz de velhos costumes, e inveja de qualquer inovação (exceto aqueles trazidos por seus escribas próprio), a menos que o inovador tinha provas inquestionáveis de autoridade divina.
25 - E perguntaram-lhe, e disseram-lhe: Por que batizas, pois, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?
    25. Eles lhe perguntaram: Por que batizas tu então? - Sem qualquer comissão do sinédrio? E não apenas os pagãos (que sempre foram batizados antes de serem admitidos à circuncisão), mas também judeus?
26 - João respondeu-lhes, dizendo: Eu batizo com água; mas no meio de vós está um a quem vós não conheceis.
    26. João respondeu: Eu batizo - Para se preparar para o Messias, e de fato para mostrar que os judeus, bem como os gentios, devem ser prosélitos de Cristo, e que estes, bem como aqueles que precisam de estar sendo lavado de seus pecados.
27 - Este é aquele que vem após mim, que é antes de mim, do qual eu não sou digno de desatar a correia da alparca.
28 - Estas coisas aconteceram em Betânia, do outro lado do Jordão, onde João estava batizando.
    28. Onde João estava batizando - Ou seja, usado para batizar.
29 - No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
    29. Ele viu Jesus, que vinha e disse: Eis o Cordeiro - Innocent, a ser oferecido, por Isaías profetizou Isaías LIII, 7, tipificado pelo cordeiro pascal, e pelo sacrifício diário: O Cordeiro de Deus - a quem Deus deu, aprova , aceita de, quem tira - para expia; o pecado - isto é, todos os pecados do mundo - De toda a humanidade. Pecado e do mundo são de igual extensão.
30 - Este é aquele do qual eu disse: Após mim vem um homem que é antes de mim, porque foi primeiro do que eu.
31 - E eu não o conhecia; mas, para que ele fosse manifestado a Israel, vim eu, por isso, batizando com água.
    31. Eu não o conhecia - Até que veio a ser batizado. Como surpreendente é este, considerando como eles quase foram relacionados, e como notável a concepção eo nascimento de ambos tinha sido. Mas houve uma providência peculiar visível em nossa vida salvadores, desde a infância até seu batismo, em Nazaré: John todos os tempos a viver a vida de um eremita no deserto da Judéia, Lucas I, 80, noventa ou mais quilômetros de Nazaré: declara que foi impedido conhecimento que poderia ter feito Johns testemunho de Cristo suspeitos.
32 - E João testificou, dizendo: Eu vi o Espírito descer do céu como pomba, e repousar sobre ele.
33 - E eu não o conhecia, mas o que me mandou a batizar com água, esse me disse: Sobre aquele que vires descer o Espírito, e sobre ele repousar, esse é o que batiza com o Espírito Santo.
34 - E eu vi, e tenho testificado que este é o Filho de Deus.
    34. Eu vi - Isto é, o Espírito, para descer e permanente sobre ele. E testemunhou - A partir desse momento.
35 - No dia seguinte João estava outra vez ali, e dois dos seus discípulos;
36 - E, vendo passar a Jesus, disse: Eis aqui o Cordeiro de Deus.
37 - E os dois discípulos ouviram-no dizer isto, e seguiram a Jesus.
    1:37 seguiram. Tradicionalmente, os alunos de um rabino judeu caminhava atrás dele. Os discípulos de Jesus seguiram-no fisicamente, mas é mais em conta. Seguir Jesus leva em níveis mais profundos de significado ao longo deste Evangelho (13:36-38, cf. 21:15-22).
    Batismo e Tentação Jesus veio de Nazaré da Galiléia para ser batizado por John the Baptist. Embora João tinha batizado no rio Jordão, perto de Enom e Salim (João 3:23), a localização exata do batismo de Jesus é incerto. Imediatamente depois, Jesus foi conduzido pelo Espírito Santo para o deserto da Judéia, abaixo Jericó. Depois de Sua tentação ali, Jesus voltou para a Galiléia.
    37. Eles seguiram a Jesus - Eles andaram atrás dele, mas não tinha coragem de falar com ele.
38 - E Jesus, voltando-se e vendo que eles o seguiam, disse-lhes: Que buscais? E eles disseram: Rabi (que, traduzido, quer dizer Mestre), onde moras?
39 - Ele lhes disse: Vinde, e vede. Foram, e viram onde morava, e ficaram com ele aquele dia; e era já quase a hora décima.
40 - Era André, irmão de Simão Pedro, um dos dois que ouviram aquilo de João, e o haviam seguido.
41 - Este achou primeiro a seu irmão Simão, e disse-lhe: Achamos o Messias (que, traduzido, é o Cristo).
    41. Ele achou primeiro a seu irmão Simon - Provavelmente, ambos buscaram: Qual é, por interpretação, o Cristo - Este evangelista acrescenta, como também aquelas palavras em ver. 38, que está sendo interpretado, o Mestre.
42 - E levou-o a Jesus. E, olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, filho de Jonas; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro).
    42. Jesus disse: Tu és Simão, filho de Jonas - Como ninguém tinha dito, nosso Senhor esses nomes, isso não podia deixar de atacar Peter. Cephas, que é Peter - Moaning o mesmo em siríaco, que Peter não em grego, ou seja, uma rocha.
43 - No dia seguinte quis Jesus ir à Galiléia, e achou a Filipe, e disse-lhe: Segue-me.
44 - E Filipe era de Betsaida, cidade de André e de Pedro.
45 - Filipe achou Natanael, e disse-lhe: Havemos achado aquele de quem Moisés escreveu na lei, e os profetas: Jesus de Nazaré, filho de José.
    1:45 de quem Moisés ... os profetas, escreveu. Felipe reconhece que todo o Antigo Testamento, tanto a Lei e os Profetas, antecipou uma grande obra redentora de Deus para ser realizado por um especial ungido. O Antigo Testamento antecipação de Cristo e Sua obra foi afirmado pelo próprio Cristo (Lucas 24:25-27, 44-47) e foi central na pregação dos apóstolos (Atos 2:29-32, 3:18, 21, 24 ; 7:52, 53; 8:30-35; 26:22, 23; 28:23).
    , filho de Joseph. Isto não implica uma negação do nascimento virginal, a que Philip não pode, em qualquer caso, ter tido conhecimento, é simplesmente uma Jesus de referência que identifica por sua cidade e família (Mt 1:24).
    45. Jesus de Nazaré - Então, Philip pensamento, não sabendo que ele nasceu em Belém. Natanael era provavelmente o mesmo com Bartolomeu, que é, o filho de Tholomew. São Mateus junta Bartolomeu com Philip, Matt. x, 3, e São João Natanael lugares no meio dos apóstolos, imediatamente após Thomas, cap. xxi, 2, tal como Bartolomeu é colocado, Atos i, 13.
46 - Disse-lhe Natanael: Pode vir alguma coisa boa de Nazaré? Disse-lhe Filipe: Vem, e vê.
    1:46 Pode algo bom vir de Nazaré. Nathanael aparentemente manifesta ceticismo contemporâneo que possa surgir um profeta da Galiléia (7:52). Nazaré era uma aldeia insignificante, não mencionado no Antigo Testamento ou da literatura judaica outros da época.
    46. Pode vir alguma coisa boa de Nazaré? - Como precaução que devemos evitar preconceitos popular? Quando estes outrora possuía um coração tão honesto como o de Natanael, que o levou a suspeitar que o próprio Jesus abençoado por um impostor, porque ele tinha sido criado em Nazaré. Mas prevaleceu a sua integridade ao longo desse preconceito tolo, e deitou-o aberto à força da evidência, que o inquiridor sincero será sempre feliz em admitir, mesmo quando ela traz as descobertas mais inesperadas. Pode alguma coisa boa - Ou seja, temos terreno a partir da Escritura que esperar o Messias, ou qualquer profeta eminente de Nazaré? Philip diz: Vinde e vede - A mesma resposta que ele recebeu de Nosso Senhor no dia anterior.
47 - Jesus viu Natanael vir ter com ele, e disse dele: Eis aqui um verdadeiro israelita, em quem não há dolo.
    1:47 na verdade um israelita. A frase é, provavelmente, pretendia chamar a atenção para Israel como o povo de Deus, a quem o Messias prometido. Esta frase também faz alusão a vv. 50, 51, onde Natanael é prometida uma experiência semelhante ao da primeira pessoa chamado Israel (Gn 28:12, 32:28), cujo caráter enganoso foi transformado por Deus.
48 - Disse-lhe Natanael: De onde me conheces tu? Jesus respondeu, e disse-lhe: Antes que Filipe te chamasse, te vi eu, estando tu debaixo da figueira.
    48. Sob a figueira, eu te vi - Talvez na oração.
49 - Natanael respondeu, e disse-lhe: Rabi, tu és o Filho de Deus; tu és o Rei de Israel.
    1:49 Rabi, Tu és o Filho de Deus. confissão de Natanael pode parecer um exagero para o conhecimento sobrenatural de Jesus. Mas Filipe já tinha indicado a Natanael que Jesus era o que fora previsto pela lei e os profetas (v. 45). Natanael de Jesus vem procurando razões para acreditar ou não, e ele acha convincente Jesus do conhecimento.
    49. Natanael respondeu - Felizes são aqueles que estão prontos para acreditar, rápida para receber a verdade ea graça de Deus. Tu és o Filho de Deus - Então, ele reconhece agora mais do que ele tinha ouvido falar de Philip: O Filho de Deus, o rei de Israel - A confissão tanto da pessoa e do escritório de Cristo.
50 - Jesus respondeu, e disse-lhe: Porque te disse: Vi-te debaixo da figueira, crês? Coisas maiores do que estas verás.
51 - E disse-lhe: Na verdade, na verdade vos digo que daqui em diante vereis o céu aberto, e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem.
    51. Vereis o - Todos estes, assim como tu, que acreditam em mim agora no meu estado de humilhação, passa a me ver entrar na minha glória, e todos os anjos de Deus comigo. Este parece ser o sentido mais natural das palavras, embora eles também podem se referir a sua ascensão. http://www.ccel.org/ccel/wesley otes.i.v.ii.html




Untitled Document

Velho Testamento


Gênesis I Samuel Ester Lamentações Miquéias
Êxodo II Samuel Ezequiel Naum
Levítico I Reis Salmos Daniel Habacuque
Números II Reis Provérbios Oséias Sofonias
Deuteronômio I Crônicas Eclesiastes Joel Ageu
Josué II Crônicas Cânticos Amós Zacarias
Juízes Esdras Isaías Obadias Malaquias
Rute Neemias Jeremias Jonas


Novo Testamento


Mateus I Corintios I Tessalonicenses Filemom I João
Marcos II Corintios II Tessalonicenses Hebreus II João
Lucas Gálatas I Timóteo Tiago III João
João Efésios II Timóteo I Pedro Judas
Atos Filipenses Tito II Pedro Apocalipse
Romanos Colossenses